sábado, março 25, 2006

Vindima de 7 de Outubro


A primeira prova da adega.

Vinho Branco da casta Viognier, Regional da Estremadura, da colheita de 2003, produzido por José Bento dos Santos na Quinta do Monte d'Oiro.
Uvas sobremaduras e vinho estagiado em madeira com 15% de álcool.
Produção: 3000 garrafas

5 comentários:

P.Rosendo disse...

Sim senhor Bento dos Santos. De parabéns. O primeiro vinho que me supreende em dois anos. O primeiro Branco que é vinho. Nota 19 de 1 a 20, só porque pode haver melhor ainda.

João Barbosa disse...

A Víndima de 7 de Outubro (2003) não me sai da memória, está proibida de sair. Fizeram-se 3000 garrafas e 2 vieram para minha casa... foi o vinho mais caro que comprei até hoje e só me arrependo quando penso que há gente a passar fome. Depois há o livro, que foi escrito para aqueles que não privilegiados que não provaram o dito vinho e para os habilidosos dos tachos e caçarolas. O que importa que um terço dos ingredientes seja desconhecido? O que importa que outro terço não se encontre facilmente à venda? O que importa que sejam necessários três licenciaturas, dois mestrados e cinco pós-graduações em cozinha, copa e kitchenette para se concretizarem as receitas? As respostas são sempre a mesma: nada! Porque afinal o que importa é o vinho que lhe serviu de inspiração e de mote, o tal que se chama «Vindima de 7 de Outubro»... E para a consciência não me pesar cito Mário de Cesariny: «Afinal o que importa não é haver gente com fome, porque, asim como assim, ainda há muita gente que come»... desculpem também o cinismo... Hoje vai marchar a segunda garrafa!

João Altavilla disse...

Numa prova cega, em confronto com alguns dos melhores Viognier do mundo, ficou em 1º lugar. Mas gostos são gostos e eu prefiro o género Redoma Reserva e Maritávora Reserva. 9/10

Jorge Gamboa disse...

Dou 8/10

P.Rosendo disse...

Corrigindo a nota para a escala de 0 a 10. 9/10.