quinta-feira, setembro 07, 2006

Herdade do Portocarro Tinto 2003


Produzido na região do Torrão (Alentejo) por um novo produtor, José da Mota Capitão, com as castas Aragonez, Alfrochoeiro e Cabernet Sauvignon.


Região: Terras do Sado
Teor Alcoólico: 13,5 vol.
Produtor: José da Mota Capitão

4 comentários:

P.Rosendo disse...

Pois é... disto já é mais dificil para mim falar. Agrada, desagrada, volta a agradar... As papilas agradecem. Vinho como eu gosto, cheio de personalidade e complexidade.
Equilibrado e desiquilibrado, agreste e elegante. Só provando mesmo.
Novo mas cria depósito logo não é filtrado.

Já o conheço antes de engarrafado e posto no mercado. Bebi-o como vinho da casa e em garrafão em Restaurante de Alcácer do Sal (Restaurante Porto Santana). Por amabilidade do dono provei-o engarrafado. A diferença para o garrafão é na composição das castas. Já gostava do garrafão e ainda gostei mais deste.

Especial, mesmo.

Nota 8/10.

PS: Ainda existe gente que arrisca fazer vinhos assim. Obrigado a todos eles pois eu gosto.

O produtor tem outro vinho, de topo, chamado Anima, infelizmente não o provei e acho que começou a especular um pouco os preços pois está a tentar pô-lo em restaurantes a mais de 20€ (preço indicado na Revista de Vinhos para preço à porta da Adega) o que provavelmente dará preços em Restaurante a mais de 30€.

Pingus Vinicus disse...

Caro amigo, tive a sorte de provar o Anima L4 e devo-lhe dizer que é um belo vinho, mesmo muito bom (para mim, é claro).
É vendido em algumas garrafeiras a +- 30€.

P.Rosendo disse...

Bem já não sei que diga do vinho. Terceira prova engarrafado e os sabores e aromas são distintos em cada prova. Pode ter sido por antes deste os vinhos em causa serem de outro nivel. Achei isso na altura. Neste momento já não me parece. Pela amostra e provas de vários blogs recentes, este ultimo nada tem a ver com os primeiros que bebi. Será que varia de garrafa para garrafa???? Coisa estranha.

P.Rosendo disse...

Confusão... Hoje reparando melhor na garrafa que foi bebida na minha terceira prova, verifiquei que nada tem a ver com a primeira versão engarrafada que bebi. Esta tem ano de colheita e região, coisa que a primeira não tinha, esta não tinha depósito a outra tinha. Ou seja o primeiro vinho na minha opinião muito superior não é o que está no mercado, provavelmente seria uma produção restrita. A nota que dei inicialmente foi a este primeiro vinho, este ultimo e que tem a foto a minha nota pessoal é 5/10.